CICATRIZES & FERIDAS

Curativos e Feridas

Tratamento avançado, cuidados integrais com a pele.

A dra Silvia Kaminsky e equipe  da Skaminsky apresenta  excelência no tratamento de feridas complexas com cuidados aplicados a pele.

O nosso diferencial é o tratamento personalizado, empregando tecnologias a laser   com curativos especiais.

Após avaliação inicial, é elaborado plano terapêutico adequado conforme a necessidade do paciente com objetivo principal proporcionar a continuidade dos cuidados com a ferida até obtenção da cicatrização, almejando a satisfação plena do cliente em seu tratamento.

O tratamento de feridas é realizado em parceria com o médico de encaminhamento do paciente, através de relatórios com evolução clinica e imagens.

Material esterilizado –oxido de etileno

Dra Silvia Kaminsky e enfermagem especializada em curativos

Laser de baixa potencia auxiliando no processo de cicatrização de feridas

Tratamento de Feridas e Curativos

As feridas podem ser agudas: decorrentes de traumatismos, cirurgias e queimaduras por exemplo.

Ou as feridas podem ser crônicas como pé diabético, úlcera venosa (de varizes) entre outros.

Qual é o cuidado com a ferida?

A ferida dependendo do seu estágio deve ser tratada de maneira única a depender de diversos fatores como umidificação da ferida, granulação, tipo de pele, local acometido e doenças associadas.

Muitas vezes são necessários desbridamentos,    e curativos específicos.

O que é desbridamento?

O desbridamento é a remoção do tecido desvitalizado presente na ferida. Seu objetivo é promover a limpeza da ferida, deixando-a em condições adequadas para cicatrizar, bem como reduzir o conteúdo bacteriano, impedindo a proliferação do mesmo e ainda preparar a ferida seja para a intervenção cirúrgica ou para a cicatrização propriamente dita.

Atualmente os métodos utilizados na prática clínica são o autolítico, enzimático, mecânico e cirúrgico.

1) Autolítico – usa as enzimas do próprio organismo humano para dissolver o tecido necrótico. Isto ocorre quando os curativos oclusivos ou semi-oclusivos são utilizados. Geralmente não causam dor e requerem pouca habilidade técnica para sua realização. O desbridamento pode ser bastante lento mas é o mais seletivo. Na presença de infecção ou em grandes extensões de necrose assim como em pacientes imunodeprimidos o seu uso é contraindicado. A ferida apresenta odor durante o processo de desbridamento. As coberturas sintéticas como hidrocolóide, hidrogel e filmes transparentes promovem o desbridamento autolítico.

2) Enzimático – utiliza agentes químicos que são seletivos para o tecido necrótico e causam danos mínimos em tecidos saudáveis. Podem ser utilizados em feridas extensas com quantidades moderadas de tecido necrótico. Podem ter custo elevado e requerer prescrição para compra. Os dois agentes mais comuns são a colagenase e papaína. A colagenase é uma enzima isolada do clostridium hystoliticum. Digere o colágeno mas não é ativo contra a queratina, gordura ou fibrina. O pH ideal da ferida para o seu uso é 6-8. A papaína é uma enzima proteolítica derivada do carica papaya. Nos Estados Unidos é combinada com ureia para ativação e sua ação ocorre com o pH entre 3-12. No Brasil a papaína é encontrada na forma de pó, solúvel em água ou na forma de gel. É utilizada em concentrações diferentes de 2% a 10%, dependendo das características da lesão.

3) Mecânico – Usam a força física para remover o tecido necrótico sendo produzido pela fricção com pinça e gaze, pela retirada da gaze aderida ao leito da ferida ou pela hidroterapia que força a remoção. Os curativos de gaze não são seletivos e danificam o tecido saudável ao remover o tecido necrótico; a cicatrização pode demorar mais tempo. Alguns pacientes podem não tolerar a pressão da hidroterapia nas irrigações da ferida.Se a hidroterapia é pelo método tipo hidromassagem, a atenção precisa ser focalizada na prevenção de contaminação cruzada entre os pacientes ocasionada pelo uso comum do equipamento.

4) Debridamento Cirúrgico ou com instrumental cortante – utiliza métodos cirúrgicos para remoção do tecido necrótico. É frequentemente considerado o método mais efetivo já que uma grande excisão pode ser feita com a remoção rápida do tecido. É utilizado para preparar uma ferida para receber o enxerto. É considerado invasivo e de custo elevado, requer o uso de sala cirúrgica.

Quais são os tipos de feridas

As feridas na pele podem ser classificadas de várias maneiras, de acordo com sua aparência, cicatrização, existência ou não de sangramento e secreções. Para quem precisa fazer um curativo para tratamento de feridas, o importante é saber que elas podem se dividir em:

  • Limpas: bordas regulares, sem inchaço e vermelhidão, sem aumento da temperatura no local. Pouco ou nenhum sangramento e/ou secreções.
  • Contaminadas: aqueles ferimentos que entraram em contato com agentes contaminantes, como terra, saliva de animais, contato com o chão, qualquer tipo de sujeira.
  • Infectadas: são as feridas que já estão em processo de infecção, com sangramento abundante, inchaço, calor no local da ferida e surgimento de pus.

É importante que, ao verificar se a ferida está contaminada ou infectada, o médico deverá ser procurado imediatamente para o tratamento adequado.

Como cuidar dos ferimentos na pele em casa ?

Antes de mais nada, é preciso examinar a ferida, sua extensão e, se possível, a causa de seu surgimento.

Observe as bordas, se a pele está avermelhada ou quente, se há secreção ou sangramento, se é uma ferida recente ou se já ocorreu há alguns dias e custa a cicatrizar.

Dependendo do estado e do desconforto causado pela lesão, procure o médico imediatamente, para tratar o ferimento da maneira adequada e fazer o curativo com um profissional de saúde.

1- Limpeza com água e sabão

A maioria dos pequenos ferimentos pode ser tratada com uma simples limpeza utilizando água e sabão neutro. Lave as mãos antes de entrar em contato com a ferida. Lave com suavidade até retirar toda a sujeira, como terra, areia e outros detritos. Não esfregue com muita força e, se a ferida for pequena, deixe secar naturalmente.

Se houver bolhas, não as estoure nem aplique nenhum remédio caseiro, como vaselina, pasta de dente ou manteiga. Lave apenas com água fria e sabão.

2- Curativos prontos

Jamais use fita adesiva ou esparadrapo diretamente sobre uma ferida. Caso o corte seja pequeno, aplique um curativo do tipo Band-Aid, para proteger a lesão e evitar que, ao retirar o curativo, o local da ferida sofra uma nova agressão.

Curativos deste tipo são ideais para pequenos ferimentos em locais do corpo que entram sempre em contato com agentes como água, sujeira, componentes químicos.

3- Gaze, atadura e esparadrapo

Se a ferida tiver uma extensão maior, mas ainda não precisar de pontos, pode-se fazer um curativo usando gaze, ataduras e esparadrapo.

Lave as mãos e utilize luvas descartáveis ao entrar em contato com a ferida. Limpe o local com soro fisiológico, para remover sangue, secreções, sujeiras e para manter  local ferido hidratado.

É importante nunca aplicar um curativo sobre a ferida seca e com qualquer tipo de detrito, pois irá prejudicar a cicatrização e a remoção do curativo, quando a troca for necessária.

Nunca aplique algodão ou gaze que solte fibras ou fiapos, pois estes irão aderir ao machucado, dificultando sua cicatrização. Dê preferência à gaze estéril, de uso individual. Nunca utilize gaze de uma embalagem já aberta, pois há risco de o material ter sido contaminado.

Aplique a gaze no ferimento limpo e fixe com o esparadrapo, como se fosse uma moldura de quadro. Troque sempre que o curativo fica úmido ao absorver líquidos e sangue expelidos pela ferida.

4-Curativo de compressão

É o tipo de curativo feito com gaze sobre a ferida para conter sangramentos. Utiliza-se a pressão para que a pele pare de sangrar e então possam ser feitos outros procedimentos necessários, como curativos especiais (feitos em hospitais ou por profissionais habilitados) ou pontos para suturar (unir) a pele ferida.

É preciso certo cuidado ao se fazer este tipo de curativo, pois se o sangramento for muito intenso ou em jatos, é preciso procurar ajuda médica de emergência.

5- Curativos semi-oclusivos ou oclusivos

São curativos que isolam o ferimento de acordo com o grau da lesão e o material utilizado. Dependendo do tipo de ferida, pode ser desejável que a pele respire e a lesão entre em contato com o ar. Se houver um pequeno sangramento ou secreção, o curativo é capaz de absorver sem deixar que os líquidos voltem a entrar em contato com a ferida.

Já o curativo oclusivo é aquele que fecha totalmente a ferida, quando a pele precisa ficar totalmente isolada do ambiente externo e do possível contato com bactérias e fungos. Precisa absorver totalmente os líquidos (sangue, secreções, pus) e manter o isolamento térmico da pele. Geralmente é feito pelo profissional de saúde, mas se a lesão for crônica ou de tratamento mais prolongado, pode haver orientação para que o curativo possa ser trocado em casa, pelo paciente ou por seus conviventes. Tudo depende, porém, da avaliação do médico.

Cuidados com os curativos

Deve-se trocar o curativo de acordo com a orientação médica: em um intervalo de algumas horas, diariamente ou dentro de um número determinado de dias.

Caso a ferida seja de pequena extensão e o curativo possa ser trocado em casa, fique atento à limpeza deste curativo e mantenha a higiene das mãos e do local a ser tratado, assim como dos materiais utilizados, que devem ser descartáveis e utilizados no momento da abertura da embalagem.

Nunca tente fazer um curativo sozinho se a ferida estiver grande demais, sangrando muito, dolorida, aberta e precisando de pontos, a menos que você tenha recebido treinamento para isto.

Jamais lamba o ferimento ou aplique qualquer remédio caseiro sobre ele. A saliva humana possui milhares que bactérias que podem piorar uma infecção ou infeccionar uma ferida limpa, e remédios caseiros podem piorar o estado da lesão, em vez de ajudar na cura e na cicatrização.

Procure sempre ajuda médica para cuidar de seus ferimentos.