LASER

Tratamentos a Laser

A Skaminsky atua desde 1996 pelo bem-estar da pele.

Dezesseis anos em que pesquisa , tecnologia e capacitação foram uma busca sem fim. O resultado é hoje, um grande centro de tecnologia e médicos capacitados .

Estrias são lesões que acontecem a partir da degeneração das fibras elásticas da pele, que, por sua vez, ocorrem pela distensão exagerada ou devido alterações hormonais. Por isso é tão comum o surgimento das estrias durante a puberdade, quando há um crescimento acelerado, e, também, em casos de obesidade e na gravidez.

As marcas na pele podem surgir em qualquer pessoa, porém, é mais frequente nas mulheres, sendo uma das principais queixas de estética nos consultórios dermatológicos.

As estrias surgem, principalmente, nas coxas, nádegas, abdômen, mamas e nas costas. Inicialmente, as lesões são avermelhadas ou róseas, evoluindo para uma tonalidade esbranquiçada. Em pessoas de pele morena, as estrias podem ser mais escuras do que a pele sadia.

Como evitar as estrias?

O surgimento das estrias depende de predisposição genética, tanto que enquanto algumas pessoas as têm, mesmo com pouca distensão da pele, outras nem na gravidez as desenvolvem, quando a distensão da pele é muito grande.

De qualquer forma, a hidratação intensa da pele com cremes e loções é indicada, principalmente para quem tem histórico familiar de estrias. Além disso, deve-se beber pelo menos 2 litros de água por dia e manter uma alimentação saudável, praticando exercícios físicos regularmente.

Nas meninas, durante a fase da puberdade, estes cuidados são muito importantes, pois é nessa época que costumam surgir as estrias nas nádegas, coxas e mamas. Nos rapazes, a fase do “estirão” pode causar estrias horizontais no dorso do tronco.

Tratamento para estrias

Os tratamentos visam a melhora no aspecto das estrias, estimulando a formação de tecido colágeno subjacente e as tornando mais semelhantes à pele ao redor. O número de sessões de cada procedimento varia de acordo com o tipo e quantidade de estrias –  quanto mais nova e vermelha for a lesão, melhor o resultado final.

Dentre as técnicas que podem ser empregadas, estão:

  • Subcisão: introdução de uma agulha grossa, com ponta cortante, ao longo e por baixo da estria, com movimentos de ida e volta. O trauma causado leva à formação de tecido colágeno no local, que preenche a área onde estava degenerado.
  • Intradermoterapia ou mesoterapia: injeção ao longo e sob as estrias de substâncias que provocam o estímulo de formação de colágeno nas áreas onde as fibras se degeneraram.
  • Microestimulação mecânica e elétrica: objetivo é causar pequeno trauma e estimular o colágeno e tecido elástico local. As sessões devem ser semanais, e em conjunto com microdermoabrasão.
  • Radiofrequência, Luz pulsada e Laser fracionado 2940nm, NdYag 1064nm e Laser de 1450nm:melhoram as estrias brancas e vinhosas, pois há renovação do colágeno, melhorando o local onde elas se encontram. São necessárias no mínimo 5 sessões, com intervalo quinzenal ou mensal.
  • Ácidos, peelings químicos e de Cristal: alguns tipos de ácidos, especialmente o retinoico e glicólico, estimulam a formação de tecido colágeno, melhorando o aspecto das estrias.
  • Laser fracionado de CO2: é um dos métodos atuais mais utilizados, e promove a esfoliação da pele por 1 a 2 semanas, com consequente formação de tecido elástico e colágeno.

Para traçar as melhores abordagens, para o seu caso e obter bons resultados com o tratamento, consulte o dermatologista.

A rosácea se caracteriza por afecção crônica da pele do rosto, causando vermelhidão, inflamação e, às vezes, coceira. Ela é mais comum em mulheres, a partir dos 30 anos, e pequenos vasos dilatados e pápulas (bolinhas) podem ocorrer junto com a área vermelha.

Acredita-se que exista um componente vascular, hereditário, infecção por uma bactéria chamada Helicobacter pylori ou até parasitas na pele (Demodex) e fatores psicológicos.

Existem 4 tipos de rosácea:

  • Eritemato-telangectasica – Subtipo1
  • Papulopustuloso – Subtipo2
  • Fimatoso (Rinofima) – Subtipo3
  • Ocular – Suptipo4: pode acompanhar qualquer um dos outros e vir sozinho, também.

Dentre os fatores desencadeantes, destacam-se a exposição prolongada ao sol, estresse emocional, temperaturas muito quentes ou frias, vento, consumo de álcool, tabagismo, exercícios vigorosos, banho quente e uso de alguns tipos de cosméticos.

Tratamentos da rosácea

Apesar de não haver cura, a rosácea deve ser tratada, e existem produtos e medicamentos que ajudam nesse controle:

  • Cremes de uso noturno com agentes antibacterianos e antiparasitários de uso local e calmantes.
  • Cremes de uso diurno, como Protetor solar FPS 15 ou maior (não alcoólico), para aplicação pela manhã e à tarde.
  • Medicação oral para casos mais resistentes, como antibióticos, parasitários, sotretinoína oral.

Os procedimentos em clínica dermatológica também ajudam a controlar a rosácea, como, por exemplo:

  • Hidratação profunda
  • Peelings químicos
  • Laser
  • Luz pulsada

O diagnóstico só pode ser dado pelo dermatologista, que vai avaliar o seu caso e indicar a melhor abordagem para o tratamento e controle da rosácea. A chave do sucesso é seguir as recomendações no período de crise e não parar o tratamento quando a rosácea melhora, pois é uma condição de pele sensível.

As cicatrizes contam histórias, mas, em muitos casos, prejudicam a autoestima e a beleza estética. Sejam elas recentes e avermelhadas ou brancas e mais antigas, com o Laser de CO2 fracionado, podem ter a sua aparência melhorada.

Laser de CO2 fracionado

No caso do CO2 fracionado, o feixe de laser é separado em vários microfeixes de luz, como se fosse um chuveiro. Com isso, ele atinge micropedaços, deixando ilhotas de pele intacta entre as áreas atingidas.

É essa pele que não foi afetada que vai facilitar a cicatrização das colunas de tecido atingidas pelo laser. As pequenas pontes de pele intacta permitem a reestruturação da epiderme (camada superficial da pele) de uma forma mais rápida, e possibilita ao paciente um retorno às suas atividades normais em um tempo mais curto.

Estudos mostraram que o laser de CO2 fracionado proporciona suavização nas linhas, rugas, cicatrizes, flacidez e outras irregularidades da pele. Marque a sua consulta com o dermatologista para ter os melhores resultados.

As olheiras podem surgir depois de uma noite de sono ruim, mas também ter sua causa hereditária. O fato é que elas são indesejadas, e perdem apenas para as rugas dentre as preocupações estéticas dos pacientes.

Uma combinação de fatores leva à aparência final das olheiras. A genética tem um importante papel, uma vez que o escurecimento ao redor dos olhos aparece em indivíduos ainda em plena juventude. Além disso, algumas pessoas têm a pele mais fina do que os outras, o que permite que tanto a melanina como os vasos sanguíneos que se localizam abaixo dos olhos transpareçam através da pele dessa área.

Fotoenvelhecimento e gravidade

Outros dois fatores também favorecem o aumento desta hiperpigmentação com o passar do tempo: o fotoenvelhecimento e a gravidade. A medida que a pele da região da pálpebra inferior se move para baixo, por efeito da gravidade, ela fica mais fina, e os vasos sanguíneos aumentam.

O afinamento da pele também faz com que os vasos e qualquer pigmento na área abaixo dos olhos se tornem mais visíveis.

Tratamento com Luz Intensa Pulsada ou Laser Q-switched

O tratamento é simples, rápido e indolor, e o aparelho é regulado para se adequar ao tipo de pele do paciente, atingindo os componentes vascular e/ou pigmentar das olheiras.

Nos dias seguintes ao procedimento, ocorre um escurecimento inicial desta área, que começa a clarear, em média, a partir do sétimo dia. A indicação é de uma aplicação mensal, sendo que são necessárias de 3 a 6 sessões para obter uma melhora importante das olheiras.

Marque a sua consulta com o dermatologista para traçar a melhor abordagem para o seu caso de olheiras e siga as recomendações médicas.

Cuidar da aparência é um fator de autoestima para mulheres e homens de todas as idades, e os tratamentos para reduzir as marcas de expressão da face estão cada vez mais seguros e menos invasivos.

Para definir o melhor tratamento para o seu caso, é fundamental a consulta com o dermatologista, que pode indicar, entre técnicas corretivas e preventivas, os melhores procedimentos para o seu rejuvenescimento facial.

Dentre as principais abordagens, estão:

  • Tratamento Domiciliar: é o mais simples e feito pelo próprio paciente, com o uso de cremes noturno, contendo ácido retinoico, ácido glicólico e outros tipos de substâncias que ativam o colágeno. Durante o dia, é imprescindível o uso do protetor solar, que deve ser aplicado pela manhã e reaplicado à tarde.
  • Retirada de sinais: com o passar dos anos, a pele desenvolve alguns sinais, como verrugas, que marcam a pele e podem ser removidos cirurgicamente.
  • Preenchimento facial: aplicação de substancias que promovem o preenchimento de depressões, como sulcos, cicatrizes e rugas.
  • Laser Facial, Radiofrequência e Ultrassom microfocado: estimulam o colágeno, minimizam a cicatriz de acne e estrias, melhoram a textura da pele e a aparência de vasos e manchas, reduzem a flacidez e eliminam pelos.

Marque a sua consulta com o dermatologista para definir o protocolo para o rejuvenescimento facial e siga as orientações para os melhores resultados.

A acne é uma doença que atinge principalmente adolescentes, mas, também, os adultos, sendo as mulheres entre 20 e 40 anos as mais afetadas. São vários os tipos de acne, como a espinha, que acontece quando há uma superprodução de sebo na pele e concentração de células mortas nos folículos pilosos, o que gera o crescimento de bactérias e inflamação no local.

Existem graus diferentes de acne, e algumas pessoas desenvolvem formas mais graves, que podem deixar marcas, como manchas e alterações da superfície da pele, principalmente cicatrizes deprimidas.

Hoje em dia, existem medicamentos que controlam a doença e, até mesmo, podem acabar definitivamente com ela, em cerca de 6 meses a 12 meses. O ideal é começar o tratamento na fase inicial da acne, para que as espinhas e cravos não deixem as temidas cicatrizes.

Dentre as abordagens para o melhor resultado estético, as técnicas mais utilizadas são:

  • Sabonete especial: normalmente, duas vezes ao dia
  • Secativo e fotoprotetor: à noite e durante o dia, respectivamente.
  • Peelings químicos: que podem ser superficiais, médios ou profundos, de acordo com a camada da pele que se deseja atingir. Eles ajudam a clarear as manchas e melhoram a textura da pele.
  • Preenchimento: para as cicatrizes deprimidas, que desaparecem quando a pele é esticada. Os preenchedores utilizados não têm efeito definitivo, sendo necessário repetir o procedimento depois de um tempo.
  • Elevação de cicatrizes: indicada para aquelas que se parecem com marcas de catapora.
  • Excisão e sutura simples: utilizada para remover cicatrizes disformes, com bordas irregulares. A cicatriz resultante da remoção é mais uniforme, feita borda a borda, com melhor resultado estético.
  • Dermoabrasão: o lixamento da pele é indicado nos casos em que há presença de cicatrizes deprimidas e profundas, principalmente aquelas com bordas bem delimitadas.
  • Laser de CO2 fracionado: a pele danificada é substituída por uma de aspecto mais jovial.
  • Subcisão: utilizada para elevar cicatrizes deprimidas, a técnica é feita pela introdução de agulha sob a cicatriz, que corta o tecido fibroso, soltando a pele, e provocando a formação de tecido colágeno no local, que também vai ajudar a elevar a cicatriz.
  • Laser: os mais usados são Erbium fracionado e Diodo 1450 nm.

Assim como em qualquer doença, cada caso é um caso, e, para saber qual o melhor tratamento para sua pele, é necessário agendar uma consulta com seu dermatologista.

As manchas escuras na pele são esteticamente indesejáveis, e, por isso, uma das principais causas que levam pacientes aos consultórios de dermatologia.

Elas são causadas ou agravadas pelo sol, e podem ser dividas de acordo com a profundidade que se encontram na pele:

  • Superficiais
  • Médias
  • Profundas

Existem alguns fatores que aumentam as chances das manchas escuras na pele, como o uso de hormônios (inclusive as pílulas anticoncepcionais), e a gravidez, que naturalmente deixa a pele mais sensível e com maior tendência de manchar.

Tratamento de manchas escuras

Independentemente da profundidade das manchas, o uso de protetor solar deve ser diário, com 2 a 3 reaplicações. Além disso, já existem procedimentos que amenizam e tratam as manchas escuras na pele:

  • Luz Intensa Pulsadaé feita com ponteira resfriada, para maior conforto do paciente, e a frequência é de 3 a 4 semanas.
  • Laser Elektra: utilizado em lesões pigmentadas profundas. O laser 1064nm Q Switched promete destruir e melhorar os pigmentos presentes no Melasma.
  • Laser Rubi: no modo Q-Switched, permite tratamentos de lesões escuras localizadas, com frequência de 3 a 4 semanas.
  • Laser Alexandrite 755nm: conta com sistema de resfriamento que protege a pele do dano térmico, amenizando o desconforto local, e promove, também, o rejuvenescimento.
  • Peelings: os peelings químicos estimulam a renovação celular da pele e melhoram sua textura, além de promover remoção de manchas. As substâncias mais usadas são o ácido salicílico, jessner e ácido retinoico.

O uso de cremes também pode ser indicado para as manchas escuras na pele, porém, apenas um dermatologista pode fechar o diagnóstico e indicar o melhor tratamento para o seu caso. Marque sua consulta!

As verrugas virais são lesões causadas pelo papilomavírus humano (HPV), auto-inoculáveis (podem se disseminar pela pele através do contato das lesões com áreas não atingidas) e transmitidas pelo contato direto com pessoas contaminadas.
Elas podem se apresentar de várias formas, de acordo com a sua localização:

  • Verruga vulgar: as lesões são verrucosas, endurecidas, de superfície áspera, coloração esbranquiçada e podem variar de milímetros a centímetros de diâmetro. As áreas mais atingidas são as extremidades dos membros, sendo muito frequentes nas mãos, cotovelos e joelhos
  • Verruga plana juvenil: as lesões são pequenas, de superfície plana e em grande número. As regiões mais atingidas são a face e os membros, e são mais frequentes em adolescentes.
  • Verruga plantar: localizadas nas plantas dos pés, estas lesões crescem para dentro da pele, devido ao peso do corpo sobre elas. Confundidas, muitas vezes, com calosidades e popularmente chamadas de “olho de peixe”, são dolorosas e atrapalham o caminhar.
  • Verruga filiformemais frequente na face e pescoço, este tipo de verruga forma projeções semelhantes a dedos, e é mais comum em pessoas idosas.
  • Condiloma acuminado: na região genital ou perianal, as lesões das verrugas são mais macias, úmidas e variam de pequenos pontos esbranquiçados a pontos com aspecto de couve-flor. Mais comum em adultos, podem ser adquiridas por transmissão sexual.

Tratamento para verruga

O tratamento das verrugas consiste na sua destruição, que pode ser feita por procedimentos cirúrgicos, como eletrocoagulação e curetagem, cauterização química das lesões, crioterapia, que destrói as lesões pelo nitrogênio líquido, e laser.

Quando as lesões ocorrem em grande número, pode ser necessária a estimulação imunológica do paciente, para que o próprio organismo elimine as elimine. Por isso, o ideal é, quando perceber o aparecimento de uma verruga, buscar imediatamente um dermatologista, que vai investigar a origem e traçar o melhor tratamento.

depilação a laser é um sucesso em todo o mundo. Muita gente já passou pela experiência e percebeu que os resultados são bastante positivos, além de o procedimento ser prático e eficaz, podendo ser aplicado em peles claras ou morenas.

É fato que a depilação a laser tem melhores resultados no pelo escuro, porém, até mesmo alguns claros, mas com pigmento na raiz, podem ser atingidos.

A depilação a laser é praticamente indolor, o que varia é a sensibilidade individual e a área do corpo a ser tratada, mas é possível reduzir o incômodo com pomadas anestésicas.

Dentre os tipos de laser utilizados para a depilação, estão:

  • Alexandrite 755nm
  • Nd-Yag 1064nm
  • Diodo 810nm

O laser é transformado em calor, que destrói o folículo do pelo – como ele se forma a partir de 3 fases (crescimento pleno, início de crescimento e queda), logo, se um pelo não for atingido em uma sessão, será nas outras. Durante o procedimento, a pele fica protegida por um sistema de resfriamento presente no aparelho, que ocorre milissegundos antes do disparo do laser, o que também ajuda a promover anestesia.

A média de sessões de depilação varia de 3 a 6 por área, mas pode aumentar de acordo com o paciente, com a coloração da pele, área a ser tratada e quantidade de pelos.

Perguntas frequentes sobre depilação a laser

O PELO VOLTA A NASCER?

O pelo atingido na fase de crescimento pleno não volta. Porém, os que estão nas outras fases vão crescer novamente – se há distúrbio hormonal, novos pelos podem surgir.

O QUE É REDUÇÃO PERMANENTE DE PELOS?

É quando a quantidade eliminada permanece estável após uma série de tratamentos. Para ter certeza de que um determinado pelo foi definitivamente eliminado, é preciso esperar, pelo menos, 4 meses a 1 ano após a última sessão.

QUAL O INTERVALO DAS SESSÕES?

Varia de acordo com a área tratada. Média de 1 a 3 meses.

QUAL A DURAÇÃO DA SESSÃO?

Depende da área tratada. Buço, queixo, axilas, orelhas duram 15 minutos, virilha e barba 30 minutos, meia perna e braços 45 minutos e perna inteira de 1 hora a 1 hora e meia.

COMO FICA A PELE APÓS O TRATAMENTO?

Pode ficar avermelhada nas primeiras horas ou até alguns dias. Compressas geladas ajudam a melhorar mais rápido.

QUE PRECAUÇÕES TOMAR ANTES E DEPOIS DO TRATAMENTO?

  • Evitar exposição solar por 4 semanas antes e após o procedimento.
  • Evitar depilar a área com cera, pinça ou eletrólise antes das sessões.
  • Se for depilar o rosto e tem antecedentes de Herpes, será indicado o uso de medicação antiviral antes do procedimento.
  • Se a pele for muito escura, poderá ser orientado o uso de creme clareador antes do procedimento.
  • Sempre usar protetor solar fator 30 ou maior. Deve ser reaplicado pelo menos 3 vezes ao dia nas áreas expostas ao sol.

A DEPILAÇÃO A LASER TEM LIMITE DE IDADE?

Não há. Pode ser realizado a partir de 10 anos até qualquer idade.

Procure o dermatologista para definir como será feita a depilação a laser e ter os melhores resultados de acordo com o seu caso.

As tatuagens são traços da personalidade, mas, para algumas pessoas, os desenhos perdem o sentido após um tempo. Hoje em dia, já é possível retirar as tatuagens a partir de tratamentos a laser, e os mais indicados são:

  • Q-switched Nd YAG,
  • Rubi
  • Alexandrita

O número de sessões varia de acordo com o tipo de tatuagem e as tintas usadas: as profissionais são as mais difíceis de remover pelo tipo de tinta organometálica multicolorida e pela profundidade e grande concentração de pigmento.

Perguntas frequentes sobre remoção de tatuagem:

As tatuagens multicoloridas podem ser removidas?

Tatuagem coloridas são mais difíceis de remover.

É melhor remover a tatuagem recente ou antiga?

Tatuagens antigas são mais fáceis de ser removidas em comparação com as novas.

Qual a real expectativa no tratamento de remoção de tatuagens?

Pacientes pensam que remover tatuagens a laser é fácil, mas não é verdade, e, em alguns casos, não se consegue a eliminação completa, mas, sim, apenas o “apagamento” do desenho. O número de sessões pode variar de 2 a 15, a frequência é mensal, e o desconforto pode ser aliviado usando creme anestésico 30 minutos antes da sessão.

A tatuagem cosmética é de fácil remoção?

Muito usada para contorno de olhos e boca, a tatuagem cosmética tem a presença de pigmentos de ferro e óxido de titânio, que podem escurecer quando atingidos pelo laser. Isto acarreta em maior número de sessões para remoção.

Se você tem o desejo de remover tatuagem, marque uma consulta com o dermatologista, que poderá indicar a melhor abordagem, bem como a quantidade de sessões necessárias para o seu caso.

A psoríase é uma afecção crônica de causa ainda desconhecida, que causa manchas vermelhas com escamas secas esbranquiçadas, pele ressecada e rachada, coceira, queimação, dor, inchaço e rigidez das articulações, dentre outros sintomas.

Apesar de a origem ainda não ser conhecida, há uma herança genética envolvida, e sabe-se que o estresse emocional e físico, o frio, obesidade tabagismo e consumo de bebidas alcoólicas podem desencadear ou piorar o quadro clínico.

Tipos de psoríase:

  • Psoríase em placas: manifestação mais comum da doença, forma placas secas, avermelhadas, com escamas prateadas ou esbranquiçadas. Em casos graves, a pele em torno das articulações pode rachar e sangrar.
  • Psoríase ungueal: afeta as unhas das mãos e dos pés, fazendo com que cresçam de forma anormal, engrossem, escamem, mudem de cor e até se deformem.
  • Psoríase do couro cabeludo: surgem áreas avermelhadas com escamas espessas branco-prateadas, principalmente após coçar. Assemelha-se à caspa.
  • Psoríase gutata: geralmente, é desencadeada por infecções bacterianas, como as de garganta, e caracterizada por pequenas feridas em forma de gota no tronco, nos braços, nas pernas e no couro cabeludo, acometendo mais as crianças e jovens antes dos 30 anos.
  • Psoríase invertida: atinge principalmente áreas úmidas, como axilas, virilhas, embaixo dos seios e ao redor dos genitais, e forma manchas inflamadas e vermelhas.
  • Psoríase pustulosa: podem ocorrer manchas, bolhas ou pústulas em todas as partes do corpo ou em áreas menores, como mãos, pés ou dedos.
  • Psoríase eritodérmica: é o tipo menos comum, acomete todo o corpo com manchas vermelhas, levando a manifestações sistêmicas, e pode ser desencadeada por queimaduras graves, tratamentos, infecções ou por outro tipo de psoríase.
  • Psoríase artropática: além da inflamação na pele e descamação, causa fortes dores nas articulações, principalmente dos dedos dos pés e mãos, coluna e juntas dos quadris.

Tratamento da psoríase

Apesar de não haver cura, a doença deve ser controlada. O tratamento é variável, dependendo da extensão do acometimento da doença: casos leves podem ser tratados com medicações tópicas, como pomadas, loções e xampus, e os mais extensos tendem a requerer medicações sistêmicas.

A fototerapia é uma alternativa, que consiste na aplicação de diferentes tipos de luz de forma localizada nas lesões de pele. O número de sessões e a duração do tratamento variam caso a caso, por isso, é essencial buscar um dermatologista para a correta abordagem.

O vitiligo é uma doença caracterizada pelo aparecimento de manchas claras ou brancas na pele, devido à diminuição ou ausência de células responsáveis pela formação da melanina, pigmento que dá cor à pele. Ele está presente em 1% da população geral, sendo que 30% desses casos têm ocorrência familiar.

As manchas do vitiligo podem surgir em qualquer fase da vida, estando relacionadas ou não a traumas físicos ou psicológicos. A causa ainda é discutida, mas sabe-se que pacientes com vitiligo produzem anticorpos e substâncias tóxicas para melanócitos (células que produzem o pigmento da pele).

Por ser uma doença relacionada com a imunidade, pode estar associada a outras patologias, como diabetes mellitus, lúpus eritematoso sistêmico, tireoidite de Hashimoto e anemia perniciosa.

Tipos de vitiligo

Após diagnosticada a doença, o dermatologista pode classificá-la em dois tipos:

  • Segmentar ou Unilateral: quando se manifesta em apenas uma parte do corpo, normalmente quando o paciente ainda está na juventude. Os pelos e cabelos também podem sofrer perda de coloração.
  • Não segmentar ou Bilateral: é o tipo mais comum de vitiligo, quando há manifestação da doença nos dois lados do corpo. As manchas tendem a surgir primeiramente nas extremidades, como pés, mãos, boca e nariz. No vitiligo bilateral, há espaçamento de tempo entre o desenvolvimento da doença, que pode ficar estagnada por um período, e, depois, evoluir.

Tratamento do vitiligo

O tratamento para o vitiligo varia de acordo com a extensão e atividade da doença. A tendência atual é associar abordagens para ter um melhor resultado, com intervenções como:

  • Uso de filtros solares
  • Corticóides (tópico ou oral para diminuir a progressão da doença e regular a imunidade)
  • Psoralênicos (tópico ou oral, associada ou não a exposição de raios UVA, estimulam a produção de melanina)
  • Pseudocatalase (em estudo)
  • Fenilalanina (aminoácido com boa ação para vitiligo de face)
  • Complexo B, piridoxina (efeito anti-oxidante)
  • Levamizole (regula a imunidade)
  • Betacaroteno (efeito cosmético)
  • Cirurgia (para casos de vitiligo estável no mínimo 6 meses)
  • Laser: o uso do UVB NARROW BAND em pacientes com vitiligo estimula a produção de melanina (pigmento que dá cor à pele). O número de sessões varia de 10 a 20, 2 vezes por semana e os resultados são expressivos de acordo com cada caso.
  • Despigmentação (substâncias que clareiam as áreas de pele sã, indicado quando a área corpórea acometida for superior à 50%)

Se você notar descoloração da pele, não pense duas vezes: marque consulta com um dermatologista para ter um diagnóstico e o tratamento ideal para o seu quadro.

O hemangioma infantil, também chamado de hemangioma da infância, é um tumor benigno, que pode afetar meninas e meninos, prematuros e de baixo peso, e crianças cujas mães passaram por exames invasivos na gestação.

Sendo o tumor mais comum infantil, ele apresenta lesões, geralmente, até o final do primeiro ano de vida, que podem ser únicas ou múltiplas. Os hemangiomas costumam se localizar no couro cabelo, no tronco ou na face da criança, e têm tonalidade avermelhada e brilhante quando superficiais, e azulada quando são mais profundos.

Todos hemangiomas, de forma completa ou praticamente completa, desaparecem espontaneamente ao longo da vida, o que faz com que o tratamento fique limitado à observação do seu desenvolvimento.

Há casos de complicações, provocando ulceração, mas, em geral, as lesões são assintomáticas.

Tratamentos do Hemangioma

Quando há ulceração e a necessidade de intervenção, a medicação mais empregada são os betabloqueadores orais, que devem ser ministrados de acordo com orientação médica. Outras abordagens que podem ser adotadas são os colírios, lasers, cirurgias e corticoides orais.

depilação a laser é um sucesso em todo o mundo. Muita gente já passou pela experiência e percebeu que os resultados são bastante positivos, além de o procedimento ser prático e eficaz, podendo ser aplicado em peles claras ou morenas.

É fato que a depilação a laser tem melhores resultados no pelo escuro, porém, até mesmo alguns claros, mas com pigmento na raiz, podem ser atingidos.

A depilação a laser é praticamente indolor, o que varia é a sensibilidade individual e a área do corpo a ser tratada, mas é possível reduzir o incômodo com pomadas anestésicas.

Dentre os tipos de laser utilizados para a depilação, estão:

  • Alexandrite 755nm
  • Nd-Yag 1064nm
  • Diodo 810nm

O laser é transformado em calor, que destrói o folículo do pelo – como ele se forma a partir de 3 fases (crescimento pleno, início de crescimento e queda), logo, se um pelo não for atingido em uma sessão, será nas outras. Durante o procedimento, a pele fica protegida por um sistema de resfriamento presente no aparelho, que ocorre milissegundos antes do disparo do laser, o que também ajuda a promover anestesia.

A média de sessões de depilação varia de 3 a 6 por área, mas pode aumentar de acordo com o paciente, com a coloração da pele, área a ser tratada e quantidade de pelos.

Perguntas frequentes sobre depilação a laser

O PELO VOLTA A NASCER?

O pelo atingido na fase de crescimento pleno não volta. Porém, os que estão nas outras fases vão crescer novamente – se há distúrbio hormonal, novos pelos podem surgir.

O QUE É REDUÇÃO PERMANENTE DE PELOS?

É quando a quantidade eliminada permanece estável após uma série de tratamentos. Para ter certeza de que um determinado pelo foi definitivamente eliminado, é preciso esperar, pelo menos, 4 meses a 1 ano após a última sessão.

QUAL O INTERVALO DAS SESSÕES?

Varia de acordo com a área tratada. Média de 1 a 3 meses.

QUAL A DURAÇÃO DA SESSÃO?

Depende da área tratada. Buço, queixo, axilas, orelhas duram 15 minutos, virilha e barba 30 minutos, meia perna e braços 45 minutos e perna inteira de 1 hora a 1 hora e meia.

COMO FICA A PELE APÓS O TRATAMENTO?

Pode ficar avermelhada nas primeiras horas ou até alguns dias. Compressas geladas ajudam a melhorar mais rápido.

QUE PRECAUÇÕES TOMAR ANTES E DEPOIS DO TRATAMENTO?

  • Evitar exposição solar por 4 semanas antes e após o procedimento.
  • Evitar depilar a área com cera, pinça ou eletrólise antes das sessões.
  • Se for depilar o rosto e tem antecedentes de Herpes, será indicado o uso de medicação antiviral antes do procedimento.
  • Se a pele for muito escura, poderá ser orientado o uso de creme clareador antes do procedimento.
  • Sempre usar protetor solar fator 30 ou maior. Deve ser reaplicado pelo menos 3 vezes ao dia nas áreas expostas ao sol.

A DEPILAÇÃO A LASER TEM LIMITE DE IDADE?

Não há. Pode ser realizado a partir de 10 anos até qualquer idade.

Procure o dermatologista para definir como será feita a depilação a laser e ter os melhores resultados de acordo com o seu caso.